Páginas

2010-08-22

Geronimo!

Eu poderia estar estudando pra prova de Engenharia de Software, tomando café, chorando as pitangas da minha mal fadada vida amorosa, mas não. Estou escrevendo sobre Doctor Who, porque o Doctor é divo, o Doctor é terapia, o Doctor é vida.

(e, pra você ver como a minha credibilidade tem problemas, há alguns meses eu falava a mesma coisa de Lost. Mas, né.)

Terminei de assistir a quinta temporada semana passada, e agora não tenho mais nada pra fazer na minha vida de fangirl. Bom, na verdade eu posso assistir a série clássica (as milhões de temporadas do anos 60 aos 80), mas estou esperando chegar o nível de abstinência mais crítico pra começar a baixar, ou seja, em algum ponto entre as vésperas do especial de Natal e os spoilers da sexta temporada.

É nessas horas que me dá saudade de Torchwood, mas não posso reassistir ainda, preciso de preparo psicológico pra deprimir de novo (q?). Por enquanto, vou reassistindo a terceira temporada de Doctor Who mesmo.

Mas, então, vamos ao que interessa (ou não): o que eu achei da quinta temporada, sem spoilers (eu acho).

Depois de muito enrolar e finalmente assistir The End of Time, que partiu meu coração milhares de vezes onde não há peças para reposição, fiquei com o sentimento do fim da primeira temporada aumentado mil vezes: não queria que o Tennant saísse DE JEITO NENHUM, e procurei todos os defeitos do universo para pôr no Eleven.


Motivos idiotas (e alguns nem tanto) que eu encontrei para odiar o Eleven no começo da temporada: 
  • Seu nariz batatudo em desarmonia com o rosto de ídolo teen.
  • Seu rosto de ídolo teen.
  • Suas tentativas toscas de fazer lembrar os trejeitos do Ten.
  • Sua completa inabilidade em tornar crível e dramático o velho discurso de “I’m the last of the Time Lords”.
  • Sua chave de fenda sônica (não lembro o nome em inglês dessa porra) toda moderninha e *calafrios* com luzinha verde.
  • Seu jeitinho meio caricato.
  • Sua modernice.
  • Sua gravata borboleta saída diretamente do inferno das gravatas borboletas.
Entre outras coisas.

Então, por essa lista você já pode refletir sobre a que ponto eu cheguei pra não gostar do Eleven. Mas essa é a lista bobinha. A lista séria é outra. A lista séria é poderosa. A lista séria não tem pra ninguém. A lista séria é:

Motivos para não gostar do Eleven: 
  • Ele não é o Ten.

Isso define.

Mas, então, eu gostei da quinta temporada de DW, e terminei até achando que gravatas borboletas são sim um tantinho ~cool~. Não tão cool quanto no Ten vestido pra matar (de amores), mas que se há de fazer?


No geral, é uma temporada muito boa e que deu um salto de qualidade técnica em relação às outras. Seria até injustiça compará-la com a tosquíssima primeira temporada, por exemplo. Só que, pra você ver como as coisas são, isso é justamente o grande problema. Doctor Who, pra mim, não é pra ser tão bom (tecnicamente falando). Sinto falta da tosquice original, dos efeitos propositalmente mal-feitos (que ainda existem na quinta, mas muito menos), da abertura igualmente tosca digna do início dos anos 2000, da musiquinha sem aqueles efeitozinhos modernosos...

Ai, ai.

Nos bons tempos das vacas toscas (eu disse mesmo isso?), Doctor Who não precisava se basear apenas no visual para ser uma série maravilhosa. Mas, calma, não estou dizendo que isso está acontecendo. Não ainda, mas né, vai que acontece um dia? Já vi um monte de gente dizendo que a série já perdeu a identidade e que não vai mais assistir e etc, e acho isso um exagero, não é pra tanto. Vou continuar assistindo e amando, mesmo que, bem, tenha realmente perdido um pouco daquele tom que eu gostava tanto.

E, sobre o Eleven, até que eu comecei a gostar mais dele do meio pro fim da temporada. Ele é legal, saltitante e meio despreocupado, realmente jovem, e eu já estava acostumada com um Tennant amargurado no auge de sua crise dos 900 e poucos anos. Ah, e o sotaque dele é mais carregado, e isso é amor.


E nem falei da Amy, coitada. Ela é uma fofa mesmo, principalmente quando era criança, mas ainda não puxo muito o saco dela não. Rory é quem tem meu coração (L)


Um beijo pra quem não entendeu porra nenhuma e leu mesmo assim. 

2 comentários:

Mialle disse...

eu entendi TUDO e não consigo aceitar e entender realmente o preconceito de geral com o Eleven, eu realmente amo ele, ele jamais será o tennant, mas eu agradeço TANTO pelo final da angustia que eu tenho de OLHAR pro Ten e ver o sofrimento e ver todas aquelas pessoas perdidas. e eu gosto da juventude que ele exala. era necessário.
amy é meu amorzinho, mas olha, quem me faz chorar e sofrer e querer desistir de tudo e querer PRA MIM é o Rory.
Rory, eu amo você profundamente. e ainda bem que esse comentário combina com o post sem sentido pra muita gente.

Dri Pepper disse...

Rory de longe a melhor coisa da temporada. <3